sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Um feliz 2011, cheio de realizações!

A todos, um ano novo cheio de saúde (para ter como realizar todas as coisas), força de vontade (para querer realizar todas as coisas) e amor (a si mesmo, aos próximos e ao mundo, para fazer valer a pena realizar todas as coisas).

O restante (dinheiro, realizações, sucesso, etc) é apenas consequência disso.

Abraços e até a próxima!





Leandro M:-D>
"Procure ser uma pessoa de valor em vez de ser uma pessoa de sucesso."
(Albert Eistein)
31dez10

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Documento-Chave-Celular / Fechado-Apagado


Hoje escrevo sobre algo bem simples, mas que me ajuda bastante no dia-a-dia para não esquecer as coisas: é fazer uma rápida verificação se não esqueço nada quando saio de casa.





Praticamente, verifico duas coisas, em "conjuntos", repetidos em voz alta:


1) O conjunto "documento-chave-celular":
Eu verifico se estou saindo com a minha carteira, a chave de casa e também meu celular. Para isso, repito em voz alta as palavras: "
documento-chave-celular", "documento-chave-celular" e vejo se esses três itens estão no meu bolso ou na mochila ou em mãos. Se um dos três itens não estiver comigo no momento que eu estou "invocando" o nome dele, vou perceber no ato que estou o esquecendo.


 1b) Existe uma variante dessa sequência, que é o "documento-documento-chave-chave-celular", que é quando eu saio de casa de carro: daí preciso adicionar no "texto" de verificação uma segunda chave (a do veículo, que é separada da chave de casa) e um segundo documento (só saio de casa com eles quando saio de carro, caso contrário, ficam guardados bem quietinhos em casa).


 





2) O conjunto "fechado-apagado":
Verifico em cada um dos cômodos da casa (quarto, sala, cozinha etc.) se as janelas estão fechadas e se a luzes estão apagadas. No momento que estou saindo de casa,
eu entro antes em cômodo após cômodo repetindo em voz alta "fechado-apagado", "fechado-apagado" e verificando se realmente tudo está ok. Se uma janela estiver aberta ou alguma luz acesa, com essa verificação é fácil perceber.






Quando repito em voz alta essas sequências, acaba sendo quase um mantra, mas não chega a ser um T.O.C., graças a Deus! ;-)

Mas fica tão automático que não tem como esquecer, pelo menos esses itens básicos, que são objetos que fazem parte da rotina do dia-a-dia. 






PS: Uma boa dica também é sempre deixar esses itens no mesmo lugar em casa (mesa, banco, criado-mudo, em cima da TV etc.). Tanto que para coisas super básicas como meus óculos, eu não uso nenhum artifício especial. Como deixo  sempre no mesmo lugar na hora de dormir, e como eu tenho uma necessidade orgânica de usá-los, não há como esquecê-los.


E, para facilitar, coisas pequenas como aliança e correntinha de pescoço eu sempre deixo junto com óculos, assim, quando "visto" meus óculos logo que acordo acabo 'vestindo" também os outros apetrechos.


Espero que eu tenha ajudado com essas pequenas dicas.

Até a próxima!


Leandro M:-D>
"A amizade é como dinheiro: mais facil de conseguir do que de manter."

domingo, 31 de outubro de 2010

Super Proparoxítona

Outro dia eu estava assistindo o filme japonês “SHINOBI – HEARTS UNDER BLADE” (muito bom por sinal, uma espécie de Romeu e Julieta ninja, e com uma fotografia muito boa mesmo, baseado num desenho/anime chamado BASILISK).





E me deparei com um personagem chamado “YASHAMARU”.



Aparentemente, a pronúncia dessa palavra é essa mesma que nos parece natural em português: “iachamarú”. Ou seja, uma palavra oxítona.




Antes de continuar, vamos relembrar as aulas de língua portuguesa da escola:

* Oxítona é uma palavra cuja sílaba tônica é a última.
          Exemplos: “café”, “luar”, “sabiá”, “Jesus”, “gestor” etc.

* Paroxítona é uma palavra cuja sílaba tônica é a penúltima.
          Exemplos: “bola”, “bênção”, “caramelo”, “inferno”, “gestora” etc.

* Proparoxítona é uma palavra cuja sílaba tônica é a antepenúltima.
          Exemplos: “médico”, “rápido”, “informática”, “êxodo”, “tomava-o” etc.





Voltando ao filme japonês SHINOBI e seu personagem YASHAMARU: essa palavra me pareceu naturalmente oxítona.
Mas comecei a pensar como seria a tal palavra deslocando as sílabas tônicas. Vamos lá, leiam em voz alta:

* Oxítona: iachamarú

* Paroxítona: iachamáru

* Proparoxítona: iachámaru

Bem, nessa, eu fiquei pensando que classificamos a sílaba tônica como sendo a última (x), ou a penúltima (x-1) ou a antepenúltima (x-2), e pára por aí.

Perguntei-me: não seria possível ter uma sílaba tônica antes da antepenúltima sílaba (x-3)??
Se existisse isso, eu acho que deveria se chamar SUPER PROPAROXÍTONA!

Vamos ver como ficaria nossa palavra de exemplo nesse novo “modelo”:

* Super Proparoxítona: iáchamaru

Bem, eu acho que fica meio difícil a pronúncia: parece que, para falar a palavra acima, acabamos meio que gritando ou mudando a velocidade das sílabas, algo como “iáááá-chamaruuu”. Na prática, acaba sendo mesmo a junção de duas palavras oxítonas (“ia” e “chamaru”).


Tentem fazer o mesmo paras as palavras “informática” ou “relâmpago” ou outras proparoxítonas polissílabas, como ficariam estranhas.

Acho que é por isso que a Super Proparoxítona não se encontra nas regras da gramática portuguesa, hehehe....



Abraços  e até a próxima!



Leandro M:-D>

31out10



quinta-feira, 23 de setembro de 2010

texto de outros - A Educação como Instrumento de Poder

Continuando as apresentações da minha época de Pós-Graduação na FASP (Faculdades Associadas de São Paulo), quando eu cursei as disciplinas: Didática do Ensino Superior e Metodologia de Pesquisa (abril de 2006).

Veja essa do meu amigo Diego I. Costa (Travis), sobre o tema "A Educação com Instrumento de Poder". Se não me falha a memória, acho que esse assunto nem estava na lista de temas que o professor nos apresentou para escolhermos, o Diego que sugeriu, e surpreendeu o mestre e a classe com sua escolha!


Bom proveito!

Abraços do M.D.

(23-set-10)


1) Apresentação (convertida de PowerPoint para imagens JPG)

:





2) Bibliografia:




3) Adendo:

Para quem se interessar, no link abaixo esta o trecho do filme "Encouraçado Potemkin"
http://www.londonfoodfilmfiesta.co.uk/SOUNDF~1/potemkin.wmv
video

Pode ser encontrando também no YouTube.

Até a próxima!

texto de outros - Mapas Mentais

Mais uma vez, a "sessão nostalgia" de apresentações, eis uma outra que eu vi na na FASP (Faculdades Associadas de São Paulo), quando eu cursei as disciplinas da Pós-Graduação: Didática do Ensino Superior e Metodologia de Pesquisa (abril de 2006).

Essa não fui eu que fiz, e sim meu colega de casse Rafael Madeira. Depois da apresentação deles, comecei a me interessar muito pelo assunto "
mapas mentais". Achei bem bacana, mesmo! Tanto que até comprei o livro do Buzan (veja em "referências").


Bom proveito!

Abraços do M.D.

(23-set-10)



1) APRESENTAÇÃO (convertida de PowerPoint para imagens JPG):






















































2) Referências bibliográficas:





Sites


Livros
  • APRENDER COM MAPAS MENTAIS
    Autor:  LUQUE, ANGELA DE
    Editora: MADRAS
  • MAPAS MENTAIS E SUA ELABORAÇAO
    Autor:  BUZAN, TONY  
    Editora: CULTRIX